O Seu Guia de Consulta e Referência

Software leitura de Tela:
Contraste:

REDES SOCIAIS:



SEGUROS


Seguradoras fazem pacotes para atrair Frotas
Com a recessão, mercado ficou estável no ano passado e projeção é de leve crescimento em 2017



O mercado brasileiro de seguros para automóveis é estimado por empresas do setor entre 15 milhões e 16 milhões de carros, ou seja, um terço da frota total circulante de autos. Deste total de veículos que estão assegurados, é muito difícil saber quais são veículos de empresas jurídicas ou dos consumidores. O mercado, que ficou estagnado no ano passado com a recessão, está em leve recuperação em 2017. Os prêmios (preços) dos seguros estão em queda, mas isso ainda não é suficiente para atrair empresas que deixaram de fazer seguros dos carros das frotas. As seguradoras têm investido em pacotes para atrair os empresários.
É o caso da Itaú Seguros e da Porto Seguro, empresas que em 2009 fundiram suas carteiras de seguros para veículos e passaram a atuar juntas. Atualmente, as duas têm 30 % do mercado de seguros para frotas no Brasil. No ano passado, não houve crescimento nas vendas de seguros, mas para 2017 a projeção é de uma alta de 10 % nas vendas, diz Vicente Lapenta, superintendente da Itaú Auto e Residência. Segundo ele, no primeiro quadrimestre deste ano, houve uma expansão de 4 % nas vendas de seguros para carros no Brasil. Lapenta afirma que a Itaú Seguros deverá crescer não por uma melhora da economia no segundo semestre, mas por medidas que a empresa tomou: “Nossa área está trabalhando fortemente com as corretoras de seguros para atrair as frotas. O cliente tem optado por uma cobertura mais básica por causa da crise. Então passamos a oferecer aos frotistas descontos nos centros automotivos da Porto Seguro e também nas peças de reposição. Os pacotes estão enxutos e, como a briga pelas frotas é grande, existem poucos pacotes completos”.
Lapenta diz que a Itaú Seguros e a Porto Seguro oferecem várias opções de pacotes para os frotistas: a primeira é a “Auto-Empresa”, para frotas pequenas, com até cinco veículos; a partir daí, o pacote é o “Seguro Auto-Frota”, que existe na Itaú Seguros há quase 30 anos. Ele não revela qual é o tamanho da carteira de seguros de automóveis de frotas da Itaú e da Porto. “Nossa carteira é grande. Crescemos em 2014 e 2015, enquanto a economia do país teve retração. Em 2016, ficamos estáveis, e o mercado segurador de carros caiu 2 %. Temos várias opções de pacotes, mas como o frotista busca geralmente o mais simples, é esse o vendido”, comenta.
Empresa sediada em Taboão da Serra/SP, a MPI Sistemas possui seis veículos. Há mais de 15 anos oferece serviços e equipamentos de segurança de controles de acesso e pontos eletrônicos em parceria com a Telemática Sistemas Inteligentes. O gerente comercial da MPI, João Evandro, optou pelo seguro tradicional para preservar sua frota: “A vantagem do seguro tradicional é ter assistência com guincho e suporte”. Essa opção também tem sua desvantagem para o frotista: “o alto custo do seguro”, diz ele. Para cada um desses veículos, Evandro firmou contrato individual, e também utiliza tecnologias de rastreamento que auxiliam na logística e complementam a segurança. O fator econômico, porém, parece ser a variável mais importante; a empresa tem planos de gerir sua small fleet de outra forma. “Estamos estudando trocar a pequena frota por carros locados”, indica Evandro.
A falta de opções pelos meios convencionais, via corretoras, tanto para pequenos quanto para grandes frotistas, também influencia na decisão de qual forma de segurança adotar para as frotas. Mesmo as grandes deste setor têm poucos produtos para os gestores e decisores, tanto por causa da procura, que é pequena, quanto pelo ramo de atuação destas corretoras, como no caso da Évora, especializada em seguros para concessionárias, core da companhia. Na hora da negociação direta, é possível conseguir descontos e facilidades, mas isso é muito variável, resolvido caso a caso. Com 20 anos no mercado de seguros, a Évora é hoje a maior corretora não cativa do segmento para concessionárias, multimarcas e revendas. Complementarmente, vem se desenvolvendo nas áreas de benefícios e seguros patrimoniais. A empresa não tem um departamento específico para atendimento a frotistas, mas possui em sua carteira seguradoras que oferecem serviços a este filão do mercado. Entre elas, Porto Seguro-Itaú, Tokio, Sompo, Hdi Auto e Bradesco. Com relação ao número de empresas ou órgãos que optam por segurar suas frotas, Adriano Vicente, analista de risco da empresa, não sabe dizer ao certo: “Não temos este número, pois atendemos mais as concessionárias, nosso público-alvo”. Os pacotes para frotistas também não são padronizados, dependem da negociação direta. “Existe uma negociação na ponta, diretamente com o gerente da companhia, mas é relativo”, diz.
As opções ao seguro tradicional passam a ser oferecidos a proprietários de veículos com mais de 5 anos de uso, o que só funciona para frotas mais antigas. Algumas companhias chamam estes seguros de seguros leves ou compactos, e a corretora ainda não tem foco neste produto. Por outro lado, para aumentar a segurança em alguns tipos de veículos, as próprias seguradoras oferecem a instalação de rastreadores.
As empresas especializadas em monitoramento e rastreio, como a Ituran, estão atentas ao mercado de seguros automotivos. Líder em monitoramento de veículos e produtos voltados à proteção contra roubo e furto, ela utiliza tecnologia criada pelo consórcio entre as norte-americanas AirTouch e Teletrac com a israelense Tadiran, grandes empresas do segmento no mercado global. Fábio Nonis, diretor comercial corporate da operação brasileira da empresa de tecnologia, fala sobre números do setor. Segundo ele, “70% dos automóveis não têm seguro, mas é uma estatística geral, engloba pessoas físicas e jurídicas, com predominância de físicas. Quando falamos de empresas, a estatística é bem mais desfavorável, ou seja, 85% não têm qualquer seguro, 10 % têm apenas seguro contra terceiros e 5% têm seguro total”.
Pelas alternativas do mercado, gestores de frotas têm cada vez mais procurado a Ituran. Eles se interessam pelas ferramentas de monitoramento e controle e pelo produto com seguro para roubo e furto. São atendidos por área especializada da prestadora de serviços e soluções, com canal de vendas exclusivo; os pacotes de serviços são variados e os preços são diferentes de acordo com o tamanho da frota e número de benefícios escolhidos pelo contratante. Eles são oferecidos para frotas com mais de cinco veículos. Nonis apresenta as vantagens de optar por veículos rastreados: “A vantagem de se colocar rastreador é a possibilidade de recuperação dos veículos em caso de roubo e furto. Assim, evitam-se as burocracias do sinistro e a espera para indenização”. A Ituran, como mais uma forma de proteger seus clientes, oferece complementarmente o seguro. Essa modalidade de serviço alia toda a expertise da empresa.
O diretor comercial corporate também diz que a utilização do seguro convencional em conjunto com a utilização de telemetria e rastreamento é uma prática comum. Assim, “o frotista tem uma segurança a mais”. A telemetria, inclusive, é um dos serviços mais procurados na Ituran. Com ele, é possível avaliar a forma de direção de motoristas em seus diversos aspectos, determinar o consumo de combustível, pneus e informações sobre manutenções, além de obter relatórios precisos sobre os veículos, gerando economia e ampliando o poder de decisão do gestor. A maior aposta da empresa hoje é a interoperabilidade entre seus sistemas e dos seus clientes, afinando os dados e as estratégias de controle das frotas.

Redes Sociais

Frota & Mercado

Telefone: (11) 3873-1525
E-mail: atendimento@frotaemercado.com.br
FROTA & MERCADO © 2012
By Studio Toro